PUB

chamusca banner comercio

PUB

banner comerciolocal

O núcleo de investigação criminal da GNR de Santarém deteve na terça-feira, 18 de Outubro, três suspeitos da prática de roubos por esticão a idosos na via pública ocorridos na região entre julho e outubro e ainda um suspeito do crime de recetação.

Em comunicado, a GNR afirma que os três homens, com idades entre os 19 e os 21 anos, residentes em Almeirim e Vale de Santarém, foram detidos no âmbito de mandados de detenção relacionados com um inquérito por crime de roubo a idosos na via pública, com recurso ao método do esticão, ocorridos nos últimos meses na zona de Santarém.

No âmbito do mesmo processo foi também detido um indivíduo, de 35 anos, residente em Santarém, pela presumível prática do crime de recetação dos artigos em ouro roubados através daquele método.

Em consequência das detenções foram realizadas buscas, a uma residência e a um estabelecimento comercial, das quais resultou a apreensão de diversos artigos em ouro, acrescenta o comunicado.

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Salvaterra de Magos pagou esta segunda feira, 10 de Outubro, uma percentagem dos vencimentos de setembro e está sem verba para arranjar as cinco viaturas que tem avariadas.

Segundo o presidente da associação, António Malheiros, a situação afeta o socorro e só não fica ninguém por socorrer porque há um sistema montado para avançarem outras corporações da região quando a sua não consegue responder aos pedidos de ajuda.

Sublinhando que a situação financeira da corporação – que conta com perto de 60 elementos, entre voluntários e profissionais, e 14 viaturas – é “extremamente difícil”, António Malheiros não descartou o cenário de “poder fechar as portas”.

O problema da associação são as dívidas do Estado porque se o dinheiro em falta viesse a conta bancária dos bombeiros de Salvaterra ficaria com um saldo positivo. António Malheiros diz que além da acumulação do prejuízo ao longo dos anos, há que acrescentar os atrasos nos pagamentos, que chegam aos sete, oito meses.

No verão de 2012, a cidade de Santarém vai ter um novo cemitério que deverá responder às necessidades da população nos próximos cem anos. A garantia foi dada esta segunda-feira, 10 de Outubro, pelo presidente da autarquia. Francisco Moita Flores apresentou o projeto do novo espaço, que terá um forno crematório para servir a região e complementar a capacidade de Lisboa.

O cemitério, a construir na zona da Portela das Padeiras, ocupará, numa primeira fase, uma área de seis a sete hectares, podendo ir, gradualmente e consoante as necessidades, até aos 14 hectares. O espaço conciliará os tradicionais enterramentos individuais e a existência de jazigos familiares com a possibilidade de cremação. As cinzas poderão ser colocadas num jardim de árvores frondosas, ser depositadas em nichos, ou, o que classificou como uma novidade em Portugal, serem “sepultadas” num espaço que simula o enterramento individual. “Seremos pioneiros em Portugal no sepultamento individual das cinzas”, explicou Moita Flores.

Além de zona de estacionamento, o espaço terá uma igreja principal, com capacidade para acolher 300 pessoas, sala de preparação dos cadáveres, duas câmaras ardentes, com antecâmara, uma zona de cafetaria, bar e de repouso, a zona de cremação e uma zona comercial, para venda de artigos relacionados, como flores, mármores, depósitos de cinzas.

Segundo o autarca, o cemitério manterá a configuração “romântica” dos cemitérios portugueses, com praças, ruas, locais de culto e reflexão (numa analogia à “cidade dos vivos”), recuperando alguma da flora que se foi perdendo, como os chorões e os ciprestes.

O projeto inclui ainda construção de quatro capelas funerárias junto à igreja de S. Pedro, situada a meio caminho entre o hospital de Santarém e o novo cemitério, de forma a libertar a zona das Portas do Sol, onde atualmente se realizam os velórios.

Mais artigos...

Slide thumbnail

PUB

PUB

Scalhidraulica

PUB

aguas ribatejo alpiarca

Quem está Online?

Temos 754 visitantes e 0 membros em linha