PUB

chamusca avieiros

PUB

cms carnaval

PUB

Os dois sócios gerentes de uma empresa de mediação de seguros em Coruche vão começar a ser julgados no Tribunal de Santarém por terem enganado dezenas de clientes com apólices falsas.

wshoppingSlide thumbnail

Os arguidos são irmãos, de 59 e 60 anos, e estão acusados pelo Ministério Público (MP) dos crimes de burla qualificada, falsificação de documento e abuso de confiança agravado.
Segundo o processo judicial, a que a Rede Regional teve acesso, o esquema era relativamente simples: cobravam os valores dos seguros aos clientes, mas não entregavam o dinheiro às Seguradoras (casos da Fidelidade, Tranquilidade e Vitória Seguros, entre outras), o que tornava as apólices inválidas, sem os lesados saberem.
Em 2014, os valores não entregues a uma das grandes Companhias já rondava os 105 mil euros, tal como foi apurado numa auditoria mandada realizar quando a fraude foi descoberta, tendo os arguidos reconhecido a dívida e assinado um acordo de pagamento.
Segundo o MP, os irmãos devolveram apenas parte do dinheiro em dívida – cerca de 68 mil euros – e continuaram com a cobrar prémios aos clientes, mesmo depois das Seguradoras terem revogado os acordos e convénios de cobrança.
A Acusação frisa que os arguidos mantiveram a ilusão de que eram ainda agentes de seguros devidamente credenciados junto dos clientes, tendo-lhes cobrados prémios e forjado certificados de seguro automóvel, seguros de caçadores e portadores de armas, ou apólices de acidentes de trabalho, entre outros documentos falsificados por meios informáticos.
No total, o MP estima que o valor de que se apropriaram indevidamente deverá andar próximo dos 112 mil euros, se bem que parte do dinheiro já tenha sido devolvido aos lesados.

 



Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

ar myaqua

Quem está Online?

Temos 443 visitantes e 0 membros em linha