PUB

arripiado2

PUB

insantarem2022

PUB

visite santarem

PUB

banner alpiagra

PUB

O Ministério Público (MP) pediu uma condenação em pena de prisão efetiva para o ex-sargento Sérgio Malacão, antigo comandante dos postos da GNR de Coruche e de Alpiarça, que está a responder no Tribunal de Santarém pelos crimes de denegação de justiça e violação de domicílio profissional.

wshoppingSlide thumbnail

Nas alegações finais do processo, que decorreram esta sexta-feira, 24 de junho, a Procuradora da República considerou que Sérgio Malacão “não podia ignorar” que a forma como conduziu o processo ia “contra todas as normas legais”, referindo-se ao caso em julgamento, uma operação de buscas a um consultório médico em Alpiarça por alegada prática ilegal de medicina dentária, que decorreu em dezembro de 2016.
A representante do MP, segundo a Agência Lusa, criticou o arguido por ter tentado “descartar” a responsabilidade para o seu superior hierárquico, Armando Sousa (comandante do destacamento territorial de Santarém na altura), o que demonstra “ausência de autocrítica”.
A procuradora admitiu que o comandante Sousa “deveria ter atuado de outra maneira” se, mesmo que tenha sido chamado “sem saber ao que ia”, como alegou em tribunal, se tivesse apercebido de que algo “não estava a decorrer bem”, como aconteceu com apreensões de ficheiros de doentes ou a “detenção ilegal” do médico, concluindo que, a ser assim, deveria ser extraída certidão.

Defesa considera não haver matéria para condenação
A advogada de defesa de Sérgio Malacão alegou ter ficado “surpreendida” por não ter sido extraída certidão por prestação de “falsas declarações” de Armando Sousa.
Inês Melo afirmou que o capitão “mentiu em tribunal”, ao confirmar que esteve presente, mas apenas “de passagem”, e que não teve conhecimento prévio dos detalhes da ação, quando recebeu o auto de notícia 21 dias antes.
Segundo vários testemunhos, esteve presente durante toda a operação, tendo sido ele a conduzir o médico até à viatura que o conduziu ao posto da GNR, como mostraram as imagens do vídeo então divulgado pela CMTV e exibidas durante o julgamento.
Para a advogada, não houve violação de domicílio profissional praticada por funcionário porque o consultório não estava licenciado e o próprio médico identificou como seu local de trabalho o Centro de Saúde de Santarém.
Quanto ao crime de denegação de justiça, Inês Melo afirmou que a ação foi comunicada ao MP e ao Destacamento Territorial de Santarém da GNR, pelo que o “capitão Sousa não tinha como não saber”, sendo este o responsável máximo a quem caberia imputar responsabilidades.

Operação de buscas foi considerada ilegal
O advogado do médico, que se constituiu como assistente no processo, apontou as várias falhas na operação que a GNR conduziu no consultório, afirmando ser patente, “desde o primeiro momento”, uma postura de “animosidade” de Sérgio Malacão contra o seu cliente, com a “indiscutível intenção” de o prejudicar.
Salientando que o seu cliente exibiu um parecer da Ordem dos Médicos atestando que podia exercer medicina dentária, o advogado afirmou que, a existir suspeita quanto à legalidade da sua atuação e do consultório, caberia à entidade fiscalizadora da saúde fazer a inspeção.
Afirmando que a forma como esta decorreu “não foi legal”, o mandatário do médico questionou como pode o “gatilho” do processo serem “rumores na vila”, não existindo qualquer queixa, concluindo que Sérgio Malacão deve ser condenado pelos crimes pelos quais foi pronunciado.
Segundo a decisão instrutória, a operação realizada no consultório “não foi ordenada por qualquer autoridade judiciária, não foi presidida por juiz de instrução criminal, nem foi acompanhada por representante da Ordem do Médicos”, salientou o mesmo advogado.
Na sequência dessa diligência, o médico foi detido e constituído arguido.
A presença de um jornalista no exterior do edifício foi apontada como prova de que o antigo sargento teve o objetivo “de se autopromover perante a comunicação social e a comunidade”, sabendo que a sua ação “teria, como teve, reflexo e prejuízo direto e grave na imagem social” do médico.
A leitura do acórdão ficou agendada para o próximo dia 7 de julho.



PUB

PUB

scalhidraulica 2021

PUB

PUB

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

armyaqua

PUB

cinema almeirim

Quem está Online?

Temos 442 visitantes e 0 membros em linha