Um agricultor ficou sem modo de sustento devido a um incêndio que destruiu por completo o barracão do seu terreno na aldeia do Casalinho, concelho de Alpiarça.

Slide thumbnail

O proprietário, António Quartilho, garante que o fogo tem mão criminosa, e explica que a própria Polícia Judiciária (PJ) encontrou provas durante a investigação que esteve a fazer no local.
“Eles estiveram aqui a fazer as investigações e disseram que, de facto, é fogo posto e vão averiguar a situação”, explicou à Rede Regional o agricultor do Casalinho.
Por desavenças antigas, António Quartilho já andava a ser alvo de ameaças, e tem poucas dúvidas que as mesmas foram agora concretizadas.
“Já há algum tempo que ando a ser ameaçado por uma pessoa, que chegou a dizer que destruía tudo o que era meu. Ora, como isto agora ardeu do nada, só posso pensar que as coisas estão relacionadas”, afirma o agricultor, que transmitiu os factos à PJ.
As chamas consumiram por completo um barracão onde guardava o trator, a enfardadeira e os fardos de palha com que alimentava o gado, entre colmeias, motores de rega e outros objetos, que, somados, ascendem a um prejuízo a rondar os 40 mil euros.
Aos 60 anos, o agricultor vê-se numa situação bastante complicada.
“Era daqui que eu conseguia ter algum rendimento, vendia uns fardos de feno ou trabalhava com o trator, e agora fiquei sem nada, a zero”, explica.
António Quartilho explica que não sabe ainda o que vai fazer, mas gostava que, pelo menos, o alegado autor do incêndio carregasse na consciência o peso de lhe ter destruído a vida.