PUB

chamusca banner comercio

PUB

banner comerciolocal

 PUBaguas santarem 600x110

O Tribunal de Santarém vai começar a julgar um ex-militar da GNR que deu origem a dois fogos florestais no concelho de Abrantes, pouco mais de um mês depois de ter sido libertado da prisão.

Slide thumbnail

Em junho de 2020, o arguido foi condenado a quatro anos de prisão por um crime de incêndio, mas a execução da pena foi suspensa mediante o cumprimento de um programa de tratamento ao alcoolismo e o pagamento de 750 euros à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Abrantes.
Acabado de sair do Estabelecimento Prisional de Leiria, onde esteve em prisão preventiva até à leitura deste acórdão, o suspeito, de 49 anos, ateou outros dois incêndios florestais em zonas de mato próximas da sua área de residência, nos dias 11 e 13 de julho do ano passado.
Um destes fogos destruiu mais de 18 hectares de árvores e mato, colocou em perigo várias habitações, e só foi extinto ao fim de oito horas de combate às chamas com recurso a uma grande quantidade de meios dos bombeiros.
Segundo o Despacho de Acusação, a que a Rede Regional teve acesso, o ex-GNR, deslocando-se numa moto, parou junto a uma zona de mato na freguesia do Souto, borrifou a vegetação com álcool etílico e deflagrou de seguida as chamas com um isqueiro.
O arguido foi visto por dois populares e uma equipa dos bombeiros de Abrantes, que ia a caminho de um outro incêndio no Carvalhal.
No dia seguinte, quando foi detido pela GNR ao volante da sua moto, o homem acusou uma taxa de 1,66 g/l, e tinha na sua posse o frasco de álcool e o isqueiro que tinha usado para dar origem às deflagrações.
Neste processo, o ex-GNR, que está atualmente a cumprir pena no Estabelecimento Prisional Militar de Tomar, está acusado pelo Ministério Público de dois crimes de incêndio florestal.

 



Slide thumbnail

PUB

PUB

Scalhidraulica

PUB

aguas ribatejo alpiarca

Quem está Online?

Temos 561 visitantes e 0 membros em linha