PUB

chamusca natal

PUB

cimt slideshow

PUB

reino natal

PUB

elgalego 2019

O homem que matou a tiro de caçadeira a ex-companheira no parque de estacionamento da danceteria São Martinho, na Golegã, começa esta terça-feira, 12 de novembro, a ser julgado no Tribunal de Santarém.

Slide thumbnail

Rui Vieira, de 63 anos, vai responder por um crime de homicídio qualificado, por ter morto com um disparo pelas costas a vítima, Ana da Silva, e por outro de homicídio qualificado na forma tentada, por ter atingido a tiro o homem que a acompanhava na noite de 17 de fevereiro, no estabelecimento de diversão noturna.
O arguido está ainda acusado pelo Ministério Público (MP) de um crime de detenção de arma proibida, pois não tinha licença de uso e porte de arma da caçadeira, e outro de violência doméstica, pela perseguição constante que moveu à ex-mulher desde o final do relacionamento, em agosto de 2018, até à data do homicídio.

Um longo historial de violência e perseguição
Segundo o Despacho de Acusação, a que a Rede Regional teve acesso, Rui Vieira e Ana da Silva, que tinha 53 anos à data da morte, viveram juntos na Chamusca entre 2010 e 2012, numa relação já pontuada por ofensas verbais e episódios de violência doméstica.
Em 2014, quando o casal se encontrava apenas pontualmente na habitação de um ou de outro, o arguido chegou a desferir um golpe de faca na mão da vítima, na sequência de uma discussão.
Ana da Silva tentou colocar um ponto final definitivo na relação em agosto de 2018, mas começou a ser perseguida de forma mais frequente pelo arguido, que nunca conseguiu aceitar a decisão da mulher.
A vítima chegou a apresentar queixa na GNR da Chamusca, denunciando o facto do arguido se deslocar constantemente à sua casa, onde chegou a bater-lhe à estalada e puxá-la pelos cabelos, meses antes do crime.
Perante as muitas mensagens escritas para o telemóvel e as ameaças de morte caso se relacionasse com outros homens, Ana da Silva acabou por mudar-se da Chamusca para Torres Novas, mas a perseguição não terminou, pois o agressor procurou-a sempre nos sítios que frequentava.

Disparou pelas costas com intenção de matar
Na Acusação, o MP não tem dúvidas em considerar que Rui Vieira agiu de forma premeditada e movido pelo ciúme.
O arguido estava já no interior da danceteria São Martinho quando Ana da Silva chegou com o outro ofendido, e saiu do espaço para ir a casa, em Riachos, concelho de Torres Novas, buscar a caçadeira de calibre 12mm com que cometeu os crimes.
Ao regressar e ao reparar que o casal já estava de saída, disparou primeiro sobre o homem que acompanhava Ana da Silva, e depois sobre a ex-mulher, que morreu atingida pelas costas no parque de estacionamento.
O “amigo” da ex-mulher foi transportado ao Hospital de Abrantes com ferimentos nos ombros, coxas e pernas, mas sobreviveu.
Rui Vieira abandonou o local e dirigiu-se à residência das suas sobrinhas, em Parceiros de São João, concelho de Torres Novas, onde se entregou poucas horas depois à GNR, sem oferecer resistência.

 



PUB

PUB

Rede Regional

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

anuncio2020

PUB

cmcartaxo natal

PUB

PUB

politeama rainhadaneve

Quem está Online?

Temos 491 visitantes e 0 membros em linha