PUB

chamusca ja te dou o arroz

PUB

insantarem

Uma mulher residente no concelho de Abrantes deixou de receber o Rendimento Social de Inserção (RSI) aparentemente por causa de um "post" em tom de brincadeira que colocou no Facebook, a dizer que ia viajar.

Slide thumbnail

O Centro Distrital de Segurança Social de Santarém cortou-lhe inesperadamente o chamado Rendimento Mínimo alegando "ausência do país", mas o facto é que a beneficiária - que pede reserva de identidade por temer mais complicações - nunca saiu de Portugal.

A mulher, de 39 anos, sofreu um grave acidente de viação em junho de 2014, tendo sido submetida a duas operações cirúrgicas.

Antes da segunda intervenção, no início de novembro, colocou na sua página pessoal do Facebook a imagem de uma boneca em cima de várias malas de viagem, a dizer que estava a caminho da Suíça.

A mensagem era uma simples brincadeira dirigida aos amigos, ironizando com o facto de não poder aceder à rede social enquanto estivesse hospitalizada.

No final de novembro, sem que nada o fizesse prever, recebeu uma carta da Segurança Social a informá-la que o RSI tinha sido cessado com base no Artigo 22º, ou seja, por "ausência do país".

Segundo a queixosa, o Facebook é única origem possível para esta disparatada confusão.

Para mais, a técnica dos serviços da Segurança Social de Abrantes que instruiu o seu processo do RSI era sua "amiga" na página pessoal e "chegou a colocar «gosto» na referida foto", segundo relatou a beneficiária à Rede Regional.

Segurança Social agrava asneira com exigência "ridícula"

tomarsegurancasocial02Desempregada e com dois filhos menores a seu cargo, a beneficiária - que auferia cerca de 285 euros mensais - não recebe qualquer apoio social desde o passado mês de dezembro.

Após ter sido notificada da decisão, juntou os documentos que tinha do internamento hospitalar e apresentou a sua contestação na Segurança Social.

Além de não reconhecer o lapso, os serviços exigiram à mulher que apresentasse um atestado da Junta de Freguesia da sua área de residência a certificar que nunca se tinha ausentado do país.

"O que é perfeitamente ridículo, pois sabe lá o presidente da Junta se eu andei no estrangeiro ou não", desabafou a queixosa à Rede Regional.

A Rede Regional solicitou esclarecimentos ao Instituto da Segurança Social, em Lisboa, que não nos fez chegar nenhuma resposta substantiva com explicações relativas ao caso em apreço.

Entretanto, a mulher já descreveu o caso no Livro de Reclamações dos serviços da Segurança Social de Tomar.



Comentários   

0 #6 paulo martins 14-03-2016 14:13
todas as razoes e mais algumas sao usadas oara negar o apoio.
agora se anda a usar ( falta de documentos)
ou seja mesmo tendo entregue tudo e estando dentro dos parametros para o devido apoio,eles colocam isso no processo..
o utente nao apresentou todos os documentos.
enfim e uma tristeza.
e enquanto se tenta saber a razao da falta,o prazo finda derivado a ser um prazo de 15 dias uteis.
este e o pais que temos,e infelizmente o pais do qual sou natural.
tenho 47 anos+filho de 15 anos,e vivo em casa de minha mae por nao ter recursos financeiros...
mesmo assim nickles,em contrapartida pessoas que muitas nem sao portuguesas,rec ebem tudo e mais alguma coisa,ate se dao ao luxo de ter carro a porta.
Citar
+3 #5 Daniela 04-08-2015 12:56
Citando Leandro Silva:
Se for como está aqui descrito na notícia, espero que a técnica da segurança social seja, pelo menos, sujeita a um processo de inquérito e eventualmente a processo deiciplinar. Não é para isto que as pessoas pagam impostos no nosso país...

Aproveito para demonstrar tambem eu a minha tristeza quando uma tecnica diz me : eu sei com quem vives!!! enfim é a [censored] que nos dão que nos põem ricos, há meses que não tenho apoio algum, meses depois de ter descontado 7 anos 180,00euros. estas tecnivcas so olham para os umbigos dela, devia ser despedida essa tecnica... chiva
Citar
+10 #4 mari 10-01-2015 20:12
Não vejo motivos para cortarem o beneficio da moça!!
Citar
+27 #3 Maria do Ceu 10-01-2015 13:24
Se a Segurança Social deixasse de massacrar os que cá ficaram, e fizesse uma varredura em toda área de Lisboa e arredores, em especial Odivelas e Setubal, veria que muitos brasileiros e angolanos voltaram há tempos para seus países de origem e continuam a sugar dos contribuintes que cá ficaram e se sacrificam para pagar as contas e impostos que não são poucos.
Os facebooks desta malta está cheios de fotografias com viagens e a vida boa que tem levado às custas do contribuinte que permanece em Portugal.
Citar
+10 #2 Suzy Pereira 10-01-2015 13:12
Acho irónico que isto aconteça neste momento em que o mundo luta pela liberdade de expressão. Pura demagogia destas entidades que dizem uma coisa e fazem outra. Mas isto também serve para vermos o quanto estamos vulneráveis, é cada um por si.
Citar
+45 #1 Leandro Silva 10-01-2015 06:57
Se for como está aqui descrito na notícia, espero que a técnica da segurança social seja, pelo menos, sujeita a um processo de inquérito e eventualmente a processo deiciplinar. Não é para isto que as pessoas pagam impostos no nosso país...
Citar

banner comer em casa

 

PUB

PUB

Rede Regional

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

salvaterra jornadas cultura

PUB

Quem está Online?

Temos 451 visitantes e 0 membros em linha