PUB

chamusca avieiros

PUB

cms carnaval

PUB

O conselho de administração do CHMT anunciou esta quarta-feira, 12 de outubro, a destituição do diretor do Serviço de Cardiologia, David Durão, apresentando como motivo principal a sua alegada “incapacidade” em assegurar um nível satisfatório nas escalas, uma demissão que o agora ex-diretor considera "inédita".

wshoppingSlide thumbnail

A decisão de destituição é sustentada pela administração "pela incapacidade de o diretor de serviço demitido adotar medidas para garantir um nível satisfatório nas escalas de Cardiologia de apoio à Urgência Médico-Cirúrgica de Abrantes”, que serve toda a população da região do Médio Tejo.

“Não obstante as condições de atratividade que foram criadas por este conselho de administração, nomeadamente ao nível de avultados investimentos em equipamentos e meios de diagnóstico, o Dr. David Durão também não conseguiu tomar medidas para evitar a saída de profissionais para outras instituições”, é acrescentado no comunicado da administração, liderado por Casimiro Ramos.

Na nota, a administração indica ainda que David Durão “evidenciou um total desalinhamento com os objetivos da instituição, designadamente a necessidade de atender às especificidades regionais” de um centro hospitalar com as características do CHMT, e que, atendendo aos “evidentes graves problemas de gestão do serviço”, o conselho de administração “não teve outra solução que não a destituição do diretor do Serviço de Cardiologia”, argumentos que o clínico contesta.

“Fui colocado como diretor de serviço através de um concurso público e que abrangeu a realização de um projeto de gestão para o serviço [de Cardiologia] e que foi avalizado por este CA, ou seja, tudo o que está lá, todas as minhas ideias de visão de gestão, e que levaram à minha nomeação, estavam lá elencadas”, afirmou, tendo reiterado como “inédito” ser destituído do cargo, um ano depois de ser nomeado, por não conseguir contratar médicos.

“O inédito disto é destituírem-me porque supostamente não consigo recrutar médicos, prestadores externos, para realizarem urgência na Unidade de Urgência Médico-Cirúrgica de Abrantes”, disse à Lusa David Durão, tendo recusado o argumento utilizado e lembrando que a sua nomeação, em 2021, “resultou de um concurso público e de um projeto de gestão avalizado” pela administração do CHMT.

“Como diretor de serviço, não sou, nem posso ser, o recrutador único de médicos para o serviço” de Cardiologia, afirmou o clínico, que já exercia a função de diretor interino desde dezembro de 2020 e que foi nomeado diretor do Serviço de Cardiologia em 2021 para um período de três anos no CHMT, entidade que agrega os hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas.

David Durão sublinhou que este “é um problema nacional que está a suceder em várias especialidades e serviços” do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

No comunicado, o conselho de administração adianta que David Durão “mantém-se em funções, nos quadros do CHMT”, já que a destituição “apenas tem implicações ao nível do seu cargo de diretor do Serviço””.



Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

ar myaqua

Quem está Online?

Temos 898 visitantes e 0 membros em linha