Ricardo Gonçalves e Sérgio Tormenta

O PS de Santarém vai recorrer para o Tribunal Constitucional da recontagem de votos realizada após o empate com o PSD na freguesia de Pernes.

wshoppingSlide thumbnail

A garantia foi dada à agência Lusa esta quinta-feira, 30 de setembro, por Manuel Afonso, que liderou a lista do Partido Socialista à Câmara Municipal de Santarém, que disse que o partido tem “muitas dúvidas” sobre o boletim de voto que foi validado para o Partido Social-Democrata, colocando este como vencedor da eleição de domingo em Pernes.

Nas eleições autárquicas de domingo, PS (que liderava a junta no mandato cessante) e PSD empataram com 345 votos cada, tendo a recontagem realizada com mediação do Tribunal de Santarém atribuído mais um voto à lista social-democrata e invalidado o outro voto que estava em dúvida e que, a ser validado, repetiria o empate.

“Discordamos da validação realizada. Temos muitas dúvidas” sobre o boletim que passou a ser contabilizado, disse.

Manuel Afonso adiantou que, assim que for publicado o edital, o PS vai exercer o direito de recurso junto do Tribunal Constitucional, o qual terá 48 horas para se pronunciar.

A eleição para a Assembleia de Freguesia de Pernes registou um empate entre PSD e PS (345 votos cada). Se se confirmar a vitória do PSD, será a primeira vez que os sociais-democratas presidirão a esta freguesia. Nestas condições, Sérgio Tormenta (PSD) será o presidente.

Na eleição de domingo, o PS venceu as eleições para a Assembleia Municipal e para a União de Freguesias da Cidade de Santarém (que reúne praticamente metade dos eleitores do concelho), mas não conseguiu destronar o PSD da Câmara Municipal.

O executivo municipal escalabitano continuará a ser liderado pelo social-democrata Ricardo Gonçalves, o qual, contudo, perde, neste terceiro mandato, a maioria absoluta, passando a ter quatro eleitos em nove, sendo os restantes lugares ocupados pelo PS (quatro vereadores) e pelo Chega (um eleito).

Na Assembleia Municipal, o PS conquistou 34,6% dos votos (11 eleitos), o PSD ficou com 32,9% (10 deputados), o Chega 8,6% (dois), a CDU (PCP/PEV) 7,8% (dois), o Bloco de Esquerda 4,7% (um) e o CDS-PP 3,1% (um), a que se juntarão os presidentes de junta de freguesia.