PUB

chamusca monologos penis

PUB

insantarem2022

PUB

cortes2022

PUB

clickaporta

PUB

 PUBpiscinas 2022

 PUBfestas mocarria 2022

Fabíola Cardoso, deputada do Bloco de Esquerda eleita pelo círculo de Santarém, questionou o Ministério do Ambiente sobre as medidas que o governo pretende tomar acerca dos baixos caudais no rio Tejo, no último plenário na Assembleia da República.

wshoppingSlide thumbnail

Segundo afirmou a deputada, “o cenário de autêntica calamidade ambiental em que se encontra o Tejo Internacional resulta do escoamento propositado da Barragem de Cedilho que levou ao esvaziamento quase total dos afluentes do Tejo a montante, nomeadamente dos rios Ponsul e Sever”.
“Quais as medidas previstas para responsabilizar o estado espanhol e a Iberdrola, concessionária da Barragem de Cedilho, pelos danos causados aos ecossistemas e às populações?”, pergunta Fabíola Cardoso, acrescentando que o rio “não é torneira que algumas empresas podem abrir e fechar quando querem, porque a água não é um negócio de alguns, é um direito e uma necessidade básica de todos”.
“Que medidas, no âmbito do programa de governo, impedirão a repetição no futuro próximo deste crime ambiental anunciado, perante a passividade da APA?”, questiona ainda a eleita do BE, que quer também saber se “podemos esperar medidas que privilegiem a prevenção e garantam caudais ecológicos contínuos e diários na rede hidrográfica, já após a reunião prevista para novembro”.
Recordando que o programa de governo “afirma repetidamente a centralidade das questões ambientais e de combate às alterações climáticas”, Fabíola Cardoso recordou ao ministro do Ambiente que o facto do rio Tejo se encontrar em mínimos históricos é consequência “não só das alterações climáticas mas essencialmente da ação humana”.

 



cimlt 2022

PUB

scalhidraulica 2021

PUB

PUB

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

armyaqua

PUB

almeirim adocao

Quem está Online?

Temos 552 visitantes e 0 membros em linha