Dom, 16 Junho 2024

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

Siga o nosso canal de WhatsApp e fique a par das principais notícias.

Sermão de Padre António Vieira aos Homens

SAMUEL PIMENTA, Escritor

             Vos estis sal terrae. Disse Jesus aos que nasceram para impedir que se corrompa o mundo. Vos estis lux mundi. Disse o Cristo aos que, faróis da humanidade, são exemplo vivo para os homens e mulheres que caminham sem norte. Vós sois o sal da terra. Vós sois a luz do mundo.

            Santo António pregou aos peixes, pois não o escutavam os homens. Hoje, prego eu aos homens e mulheres deste tempo, que há um cansaço entre os peixes de sermões que lhes não dizem respeito. Qual Cristo ressuscitado, faço um último sermão em morte, pois os que fiz em vida a poucos tocou o coração.

            Vós sois o sal da terra, disse Jesus. Vós sois a luz do mundo. Vós, homens e mulheres deste tempo, sois os sebastiões aparecidos, os eleitos para a elevação da Terra. Sois os guardiães das virtudes sagradas da humanidade, o sal que impede a podridão da carne e do espírito. Sois os guias dos que, perdidos, buscam o norte, a luz que permite ao mundo despertar da escuridão. Vós, homens e mulheres deste tempo, sois as águias vigilantes que planam no intenso azul que se ergue sobre a terra. Vós, homens e mulheres deste tempo, sois os cardumes que, unidos, resistem aos predadores do oceano profundo. Vós, homens e mulheres deste tempo, sois os linces atentos que escalam a montanha, feras indomáveis e livres e para sempre donas do próprio destino. Vós sois o sal da terra. Vós sois a luz do mundo.

            Descido à Terra, poucas diferenças há desde o tempo em que parti. Mudaram os engenhos, as técnicas, o progresso. Mantêm-se os vícios, os podres, a leviandade. Vós sois o sal da terra e a vós vos é exigido que impeçais a corrupção do mundo. Vós sois a luz do mundo. Ousem fazer melhor, que outros farão como vós. Ousem fazer diferente, que outros farão como vós. Tal como ousei eu erguer-me pelos judeus, pelos índios, pelos que não tinham voz, ousem também erguer-se pelos que, sem forças, continuam a querer viver. Ousem erguer-se por vós mesmos! Digo-o com a mesma força tenaz com que o dizia no século XVII, mesmo que os anais da História me lembrem que os meus esforços pelos que careciam de protecção saíram gorados. Veja-se a mortandade, o genocídio silencioso de que são vítimas os índios nas américas. Ainda hoje, são expropriados das terras que lhes pertencem e ceifados das vidas que deus lhes deu. Não é isto horrendo, homens e mulheres deste tempo? Não é isto desolador? Mas que não nos fiquemos somente pelos índios! Veja-se a perseguição de que os judeus têm sido alvo e que me é escusado de relembrar, todos sabem. E vejam-se todos os homens e mulheres oprimidos, todos os animais maltratados, todas as plantas dizimadas, todas as terras esventradas. Veja-se o nojo da corrupção, da fome, do crime, da mentira, do controlo, da alienação da humanidade. Veja-se toda a Terra que apodrece! Ainda assim, afirmo e afirmarei convictamente que vós, homens e mulheres deste tempo, sois o sal da terra, que vós sois a luz do mundo. Pois é de vós que pode nascer um mundo novo. É a partir de vós, homens e mulheres deste tempo, da vossa vigília atenta, que o mundo se libertará dos grilhões que o não permitem avançar.

            Vós sois o sal da terra. Vós sois a luz do mundo. Podeis ser, se assim quiserdes, o bolor que apodrece a carne e a noite que se abate sobre todas as auroras. Das escolhas que me são alheias pouco ou nada posso eu afirmar. Mas se podeis ser sal e luz, porque decidireis vós, homens e mulheres deste tempo, ser bolor e noite? Não é o bolor o mais indesejado dos fungos? Não é a noite eternizada a mais desoladora imagem do mundo? Porquê serdes menores e tristes, quando podeis ser grandiosos e repletos de ventura? Vós sois o sal da terra. Vós sois a luz do mundo. Basta que o aceiteis, basta que o assumais. E quando o fizerdes, homens e mulheres deste tempo, viveremos a era em que os anjos descerão à Terra e em que as portas do paraíso se abrirão para que a humanidade retorne ao lar a que pertence. Mas apressai-vos, tempus fugit. As horas voam.

            Vos estis sal terrae.Vos estis lux mundi.

 

Samuel Pimenta

Escritor

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Relacionadas

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB