PUB

banner chamusca alice adiado

PUB

banner cms riscos

Gonçalo Gaspar

Os últimos 15 dias têm sido ricos em política, polémica, surpresa e justiça. Para as pessoas, como eu, que pensam de forma autónoma, livre e que todos os dias procuram incutir na política e nos políticos os valores da responsabilidade, do sentido de estado, da transparência, da importância da credibilidade mas acima de tudo do respeito pelas pessoas/eleitores que continuam a “insistir e não desistir” de exercer o seu direito de voto, colocando a democracia representativa a funcionar na sua plenitude.

Fazendo um exercício simples, utilizando uma personagem fictícia de nome Marquês, político com já vasta carreira que, não se lhe conhece qualquer outra atividade ou competência profissional para além da política, chega aos 27 anos de exercício político com uma hipotética fortuna de 25 milhões de euros. A pergunta é legítima. Um político ganha assim tanto?

A conclusão também pode ser legítima. Vamos todos para a política porque há mais probabilidade de enriquecer por esta via, do que ganhar no euromilhões. Chegando a altura de responder efetivamente à questão com rigor, podemos dizer que o Marquês teria uma fortuna acumulada de pouco mais de 2 milhões de euros, isto se não gastasse um cêntimo durante este período. Pois é! A justiça é complexa, por vezes demasiada interpretativa mas continua a basear-se e a decidir sempre com base em factos e provas. E bem! O que seria o oposto?!

As questões voltam a ser legítimas. Porquê só agora esta justiça age com base em evidências, factos e provas e lhes chama indícios fortes? Quantos marqueses não tiveram esta oportunidade?

Alerto eu, calma, calma porque ainda não houve conclusões ou ditada sentença condenatória com trânsito em julgado! Não vos sei dizer! Não sei se tem a ver com a falta de competências dos investigadores, das políticas criminais, dos magistrados do Ministério Público, se com redes de contacto privilegiadas, se tem a ver com ordens de obediência...”desportiva”. Confesso que não sei.

Mas calma! Há uma coisa que eu sei! Ninguém enriquece a fazer política. Ninguém! As contas são fáceis de fazer e o milagre da multiplicação não deixa de ser um conceito religioso.

Afirmação legítima: há tantos políticos que enriqueceram sendo apenas autarcas, deputados e governantes. Infelizmente há! Acreditem não é de forma lícita! Acreditem!

Vejo demasiadas pessoas surpreendidas com tudo isto, o que me preocupa. Esta surpresa encapotada também coloca em causa o Estado de Direito.

Vejo também muitas virgens ofendidas a replicar incessantemente que este tipo de assunto apenas diz respeito à Justiça. Eu pergunto, como? Então o Marquês enriquece durante os seus períodos áureos de responsabilidade e gestão política e este assunto apenas é jurídico?

Toca a ACORDAR! A parte política da coisa deve ser tratada pelos políticos e pelos eleitores, a parte jurídica e criminal deve ser tratada pelos Tribunais. Todos devem assumir as suas responsabilidades e executar as suas funções dentro das suas competências.

Espero que os próximos 15 dias continuem neste ritmo, porque não são estes assuntos que colocam em causa a estabilidade do nosso Estado de Direito, mas sim a omissão e impunidade dos mesmos. Não sei se os próximos 15 dias serão suficientes para limpar, corrigir e punir tantas décadas de impunidade. Efetivamente isto é um início. Doa a quem doer!

Deixa-me orgulhoso ver uma nova geração de políticos e eleitores que perante estes factos digam de forma espontânea e natural, Aleluia...Aleluia. É sinal que há homens bons na política. Eles existem! Começo é a ficar escandalizado por serem tão poucos! Seguramente vencerão!

O paradigma está a mudar e espero que seja definitivo!



leziria startup

 

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

Scalhidraulica

Quem está Online?

Temos 454 visitantes e 0 membros em linha