PUB

banner chamusca alice adiado

PUB

banner cms riscos

NUNO CARDIGOS FERNANDES

nuno cardigos

Aproveitando as comemorações dos 40 anos do 25 de Abril, muito se tem debatido em vários órgãos de informação, a deslocação, tresladação, como lhe queiram chamar, da estátua do Capitão Salgueiro Maia.

Dei comigo a imaginar o que pensaria o próprio Salgueiro Maia desta situação. Acho que para ele seria indiferente a sua estátua estar no lado A, B ou C, pois foi sempre uma pessoa indiferente a este tipo de homenagens.

Mas o que me intriga mais nesta história, é que ainda não entendi porque é que se quer mudar a estátua para outro sítio, e, até mesmo, se terá algum sentido mudar a estátua de lugar.

Depois de recentemente a Camara Municipal de Santarém, ter gasto dinheiro (não sei quantificar mas não deve ter sido barato) na construção e requalificação daquele espaço onde está situada a estátua, ao qual, apelidou de “Jardim dos Cravos”, e que foi construído, para precisamente lá ser colocada a supracitada, fará algum sentido colocar a mesma noutro espaço?

E quanto custará aos cofres da Autarquia a mudança da mesma (com o respectivo chaimite incluído)? Penso que existem situações mais prementes, que devem ser debatidas publicamente para o concelho de Santarém.

Em vez de estarmos a falar da deslocação de uma estatua, deveríamos estar a falar de desemprego, erradicação da pobreza ou de como ajudar as crianças em idade escolar que vão para as aulas de manhã sem tomar o pequeno-almoço.

Em vez de perdermos tempo com um assunto que não merece a mínima discussão, deveríamos estar preocupados com a captação de mais investimentos públicos e privados para o nosso concelho de maneira a serem criados mais postos de trabalho, de arranjarmos soluções para ajudar os nossos idosos, que vivem em situações indignas e que necessitam da nossa ajuda.

Estes são os valores em que vale a pena perder tempo e pelos quais vale a pena lutar, e, tenho a certeza, de que o Capitão Salgueiro Maia ficaria contente com isso. Isto sim, é cuidar de Santarém.

Sendo há vários anos dirigente desportivo, e conhecendo de perto a realidade desportiva do concelho de Santarém, quero aqui manifestar o meu apreço, pela construção de um futuro campo de relva sintética na Ribeira de Santarém, e, também, pela construção de mais dois sintéticos pequenos e respectivos balneários na Escola Superior Agrária.

Apesar destes equipamentos chegarem com alguns anos de atraso, são sempre bem-vindos, pois a cidade carece desde há muitos anos, de infraestruturas, para a prática do futebol. Digo isto, porque lembro-me de um estudo que foi feito em 2009 ou 2010, por um clube que andou a abrir escolas de futebol pelo nosso pais, chegando mesmo a arrancar com uma na nossa cidade.

Esse estudo concluiu que a cidade de Santarém poderia ter um potencial de 900 atletas federados com idades entre os seis e os dezoito anos de idade. Mas, o mesmo estudo, também referiu que isso só seria possível se a cidade de Santarém tivesse o dobro das infraestruturas para a prática da modalidade.

Se somarmos o número de atletas federados, entre os dois clubes que fazem formação na cidade de Santarém (Associação Académica de Santarém e União Desportiva de Santarém), verificamos que andará por volta dos quinhentos atletas. Daqui conclui-se que, o que falta mesmo, são as infraestruturas.

Eu sei que financeiramente, não será a melhor altura, pois existem situações, nos tempos que correm, as quais a autarquia deve dar mais atenção. Mas aproveitando o tal ditado “mais vale tarde do que nunca”.

Nuno Cardigos Fernandes



leziria startup

 

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

Scalhidraulica

Quem está Online?

Temos 597 visitantes e 0 membros em linha