Dom, 16 Junho 2024

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

Siga o nosso canal de WhatsApp e fique a par das principais notícias.

Presidente da junta revoltado com poluidor: “é preciso ser uma grande besta!”

O presidente da Junta de Freguesia da Moçarria, Marcelo Morgado, está revoltado com a atitude de alguém que, uma semana depois de um troço de um ribeiro da freguesia ter sido limpo e reabilitado, deixou na zona um saco de tripas com restos de animal.


“No passado sábado, um grupo de pessoas, passou o dia a reabilitar uma pequena parte do Rio do Porto. Ficou muito giro, local muito agradável”, começa por dizer o autarca desta freguesia do concelho de Santarém, para logo contar o que hoje encontrou.

“Hoje Sábado, dia 14 de Março, «uma pessoa» porca, mesmo porca, para não lhe chamar outro nome, foi colocar dentro de um saco, tripas e restos de um animal dentro do Rio!!!! Sim Senhor é preciso ser uma grande besta! Um cheiro nauseabundo naquele rio, é muito triste!!!!”, lamenta Marcelo Morgado.

Recorde-se que um troço de cerca de 140 metros da ribeira de Perofilho, conhecido localmente como rio do Porto, em Baixinho, na freguesia de Moçarria, foi alvo no dia 7 deste mês da primeira ação de reabilitação fluvial do ano 2020 do Projeto Reabilitar Troço a Troço (RTT), uma iniciativa da Câmara Municipal de Santarém.

Logo pela manhã, várias dezenas de pessoas, incluindo Ricardo Gonçalves e Inês Barroso, presidente e vice-presidente da Câmara Municipal de Santarém, e Marcelo Morgado, presidente da Junta de Freguesia de Moçarria, participaram nesta ação, em que foram utilizadas técnicas de engenharia natural que usam como elementos construtivos materiais vivos, nomeadamente estacaria de salgueiro, faxina viva, bio-rolo com plantas aquáticas, entrançado vivo e manta orgânica.

Esta solução permite acelerar o restauro ecológico, solucionar problemas estruturais de estabilização das margens e aumentar as condições funcionais para a biodiversidade. Foram ainda plantadas, no topo do talude, várias plantas autóctones da galeria ripícola.

marcelo ricardo ines

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Relacionadas

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB