Qui, 23 Maio 2024

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

Siga o nosso canal de WhatsApp e fique a par das principais notícias.

Predador seduz menina através de contas falsas no Facebook

Uma menor de apenas 14 anos, à data dos factos, tirou fotografias sem roupa e em poses pornográficas depois de ter sido seduzida e enganada por um predador sexual que usou contas falsas nas redes sociais para ganhar a sua confiança.


O homem, de 33 anos e residente em Rio Maior, vai começar a responder no Tribunal de Santarém por 35 crimes de pornografia de menores e um crime de atos sexuais com adolescentes, num caso que chegou ao conhecimento das autoridades portuguesas através de uma denuncia do National Center For Missing Exploited Childres (NCMEC) e da Cyber Tipline de Madrid.
O caso ocorreu em 2016, quando o arguido, que já era “amigo” da menor no Facebook, criou uma conta falsa sob o nome “Vera Silva”, para se aproximar da vítima e convencê-la que podia fazer uma grande carreira no mundo da moda.
Usando o perfil “Vera”, a quem inventou ligações a uma agência de modelos, o homem disse à menor que tinha de fazer um álbum fotográfico despida ou em poses provocantes, chegando a oferecer-lhe 50 euros e carregamentos do telemóvel.
O arguido sugeriu que o local mais seguro para a sessão fotográfica seria a sua própria casa, onde a menor se deslocou por duas vezes, tendo sido fotografada 35 vezes com um telemóvel do predador.
Segundo o Despacho de Acusação do Ministério Público (MP), a que a Rede Regional teve acesso, na segunda ocasião, o arguido convenceu a vítima que seria melhor ter um elemento masculino na sessão, e despiu-se, tendo recolhido imagens a beijá-la na boca, a apalpar-lhe os seios e com a vítima nua, a agarrar-lhe o pénis e sentado ao seu colo.
O caso acabou por ser detetado pelo NCMEC e pela Cyber Tipline, dois organismos que monitorizam crimes e atividades ilegais com crianças na Internet e redes sociais, e relatado a 2 de agosto de 2016 às autoridades portuguesas, que chegaram à identificação do autor do crime.
Na Acusação, o MP salienta que o arguido aproveitou-se da ingenuidade e da inexperiência da menor para satisfazer os seus desejos libidinosos e sexuais, ofendendo a sua autodeterminação e o sentimento de criança.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Relacionadas

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB