Sex, 21 Junho 2024

PUB

RODAPE-CONTEUDOS

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

Siga o nosso canal de WhatsApp e fique a par das principais notícias.

Fugitivos dispararam com intenção de matar militares da GNR

santaremprocessoladroestabaco

O Tribunal de Santarém começou a julgar os dois homens que sobreviveram a uma perigosa perseguição automóvel desde a Ponte Vasco da Gama até ao Porto Alto, no concelho de Benavente, em setembro de 2016.

Recorde-se que esta fuga terminou com um enorme aparato policial junto a um supermercado, depois de um militar da GNR ter sido baleado e um dos fugitivos ter sido abatido pelas autoridades.

O Ministério Público (MP) não tem dúvidas que os arguidos dispararam a matar sobre os guardas da patrulha que os perseguiram a alta velocidade, ao longo de mais de 20 quilómetros.

O trio só parou depois de embater numa outra viatura, e abriu fogo em plena via pública, numa tentativa desesperada de escapar que não deu resultado.

O processo judicial que corre no Tribunal de Santarém tem quatro arguidos, pois o MP concluiu que os dois sobreviventes à perseguição faziam parte de um perigoso gang residente no Bairro da Torre, em Camarate, que se dedicava a assaltos violentos a distribuidores de tabaco.

Em apenas 3 meses, o grupo cometeu 12 assaltos a carrinhas de transporte em várias localidades na zona centro do país, tendo conseguido roubar mais de 102 mil euros em tabaco e quase 25 mil euros em dinheiro.

Os crimes têm em comum a enorme violência com que o gang atuava, sempre fortemente armado e agredindo e ameaçando de morte as vítimas, segundo o despacho de acusação a que a Rede Regional teve acesso.

O principal arguido, Francisco C., de 26 anos, conhecido por “Calão”, está a responder por 30 crimes.

Além de duas acusações por homicídio qualificado na forma tentada, por ter aberto fogo sobre os dois militares que o perseguiam, vai responder por 12 crimes de roubo e oito de sequestro, entre outros.

O terceiro elemento que seguia no carro envolvido na fuga, Jorge E., de 23 anos, responde por oito crimes, onde se incluem também as duas tentativas de matar os elementos da GNR.

Os restantes dois arguidos, Daniel Q., de 30 anos, e Fábio P., de 19 anos, respondem apenas por três crimes, roubo, sequestro e detenção de arma proibida.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Relacionadas

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB