Sex, 1 Março 2024

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

Siga o nosso canal de WhatsApp e fique a par das principais notícias.

Ex-dirigente dos Escuteiros de Abrantes condenado a 4 anos e 3 meses com pena suspensa

O antigo dirigente dos Escuteiros de Abrantes, que foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) no final do ano passado, foi condenado esta terça-feira, 31 de outubro, no Tribunal de Santarém, a quatro anos e três meses de prisão, com pena suspensa, ficando ainda inibido de exercer qualquer atividade que envolva contacto com menores durante dois anos.


Os juízes deram como provados quatro dos nove crimes de abuso sexual de pessoa incapaz de resistência agravados de que o arguido vinha acusado.

Recorde-se que os factos de que o Ministério Público (MP) o acusa foram cometidos sobre um jovem com um atraso cognitivo profundo, hoje maior de idade, e que terá começado a ser abusado desde 2015, quando tinha apenas 10 anos.

Os crimes ocorreram no Centro de Acolhimento Temporário (CAT) “Casa Clotilde”, do Centro Social Interparoquial de Abrantes, onde a vítima residia por decisão judicial, e o agressor prestava serviço em regime de voluntariado, desde 2008.

A descoberta do caso chocou a comunidade de Abrantes, onde o arguido, de 54 anos e funcionário das Finanças de profissão, é bastante conhecido e gozava de uma excelente reputação social pela sua ligação à Igreja Católica e ao escutismo, na cidade e na região.

Segundo o MP, o agressor aproveitou-se das deficiências mentais e psicomotoras da vítima para a sujeitar a atos de cariz sexual, bem como do facto de ter livre acesso aos espaços reservados do CAT, fruto da confiança que os responsáveis da instituição depositavam nele.

A relação de proximidade entre ambos acabou por criar suspeições entre funcionários e outros utentes, que denunciaram o caso à direção após presenciarem alguns episódios de maior intimidade.

O agressor, solteiro e residente no Rossio ao Sul do Tejo, estava em prisão domiciliária com vigilância eletrónica desde 27 de dezembro, dia em que foi presente a um juiz de instrução criminal no Tribunal de Santarém.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Relacionadas

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB