Sex, 1 Março 2024

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

Siga o nosso canal de WhatsApp e fique a par das principais notícias.

76 milhões para gerir parque natural e pegadas de dinossauros

A proposta de Plano de Cogestão do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC) e do Monumento Natural das Pegadas dos Dinossauros de Ourém – Torres Novas, tem um custo estimado de 76 milhões de euros, verba que vai servir para promover, valorizar e proteger o parque, as suas gentes e os seus costumes.

O projeto envolve 27 freguesias, de sete municípios, duas direções regionais de agricultura, quatro grupos de ação local e duas regiões do turismo, que pretendem criar dinâmicas participativas e inovadoras que promovam o desenvolvimento económico e social e aumentem a visibilidade e a atratividade do PNSAC.

Na apresentação do projeto, a 5 de janeiro, o presidente da Câmara Municipal de Santarém, Ricardo Gonçalves, referiu a importância do trabalho da Associação de Desenvolvimento das Serras de Aire e Candeeiros (ADSAICA) na elaboração deste “projeto muito ambicioso” que envolve diversos municípios e muitas outras entidades em volta do parque natural, e que agora o desafio “passa por conseguir fundos comunitários para a realização do mesmo”.

O Plano de Ação, apresentado por Óscar Pires Técnico da ADSAICA, assenta em três eixos estratégicos – promoção do território, comunicação e sensibilização e valorização e proteção do património natural – num investimento total de cerca de 76 milhões de euros.

Na área da promoção, o objetivo passa por recuperar uma série de infraestruturas, promover a fixação de jovens no território, realizar festivais gastronómicos por toda a região, criar um portal com o objetivo de divulgar os diferentes tipos de equipamentos turísticas do território e ainda promover a transição climática e a neutralidade carbónica.

Ao nível da comunicação e sensibilização estão pensadas ações de formação sobre boas práticas do território e ações de educação ambiental direcionados para os mais jovens.

As entidades também têm como objetivo aproximar as populações e o público em geral ao PNSAC e fomentar não só o sentido de pertença, mas também a identificação das comunidades locais.

O desenvolvimento sustentável, a valorização dos produtos locais e o desenvolvimento do turismo foram outras das intenções mencionadas pelos municípios.

Este documento encontra-se em consulta pública até ao dia 22 de janeiro.

Uma resposta

  1. Só espero que esses milhões todos também sirvam para controlar a seca dos pinheiros na Serra de Aire. A paisagem de verde está a ficar Castanha e não vi qualquer informação e preocupação a esse respeito.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Uma resposta

  1. Só espero que esses milhões todos também sirvam para controlar a seca dos pinheiros na Serra de Aire. A paisagem de verde está a ficar Castanha e não vi qualquer informação e preocupação a esse respeito.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Notícias Relacionadas

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB

PUB