PUB

chamusca 6eventos

PUB

visite santarem

PUB

Economia

A empresa SUMOL+COMPAL estima investir 3 milhões de euros numa central fotovoltaica para tornar a sua unidade de produção e distribuição em Almeirim mais sustentável do ponto de vista energético, com a produção de energia renovável para autoconsumo.

wshoppingSlide thumbnail

O projeto será realizado em várias fases, devendo atingir a potência instalada de 3MWp. Se esta energia fosse produzida através de energias fósseis, seriam emitidas cerca de 984 toneladas de CO2e por ano, o que é equivalente à captação de CO2e por 44.643 árvores.

wshoppingSlide thumbnail

A primeira fase já está concluída e conta com a instalação de 1.850 painéis fotovoltaicos, numa área de 11.000 m², e uma potência instalada de 1MWp. Esta primeira fase já responde a 15% das necessidades energéticas da fábrica em Almeirim, valor que será incrementado para 25%, com o início da produção de energia da segunda fase do projeto, que deverá estar concluída no início do próximo ano.

A instalação da central fotovoltaica em Almeirim insere-se no âmbito da estratégia de sustentabilidade da SUMOL+COMPAL, que prevê a transformação e diversificação de fontes energéticas, assente nos eixos da diversificação e independência energética, da descarbonização e da melhoria da eficiência dos custos energéticos.

Esta central fotovoltaica na fábrica de Almeirim abre ainda a oportunidade de, em conjunto com a Câmara Municipal de Almeirim, avaliar formas de disponibilizar os excedentes de produção de energia ao serviço da comunidade.

O administrador da SUMOL+COMPAL, Jaime Alves Cardoso, considera que este é “um importante momento de decisão" sobre as opções de transformação tecnológica e energética, "para garantir maior racionalização e eficiência, escolher fontes de energia que reduzam a enorme volatilidade de custos atuais e cumprindo as nossas metas ambientais".

O presidente da Câmara de Almeirim, Pedro Ribeiro, não tem duvidas que "o caminho é este", com a independência cada vez maior das empresas.

"A possibilidade de os excessos de produção serem ainda disponibilizados à comunidade é algo que também merece o nosso comentário altamente positivo. Agora é encontrar a forma de o fazer na prática, algo que pode passar por mudanças legislativas. Mas estou certo que terá um final feliz", diz o autarca.



PUB

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

PUB

Slide backgroundSlide thumbnail

PUB

aguas barco

PUB

agrande

Quem está Online?

Temos 747 visitantes e 0 membros em linha