Os sócios do União de Almeirim aprovaram esta sexta-feira, 5 de abril, por larga maioria e apenas um voto contra e uma abstenção, a constituição de uma Sociedade Anónima Desportiva (SAD), que passará a gerir os destinos da equipa sénior.

Slide thumbnail

Na proposta apresentada, o clube vai ficar com 10% da nova entidade, ficando os restantes 90% na mão da “Palhinha 9 Sports, Unipessoal Lda”, propriedade do ex-futebolista brasileiro Jorge Ferreira da Silva, de 51 anos, conhecido no mundo do futebol como Palhinha.

A direção, presidida por Agostinho Fernandes, ficou mandatada para formalizar a constituição da SAD, que além de ser responsável pelo futebol sénior, poderá utilizar as instalações do clube e ajudar na formação de jovens jogadores.

Esta foi a forma escolhida pelos sócios e dirigentes para fazer face às cada vez maiores despesas do futebol, esperando todos que assim o clube possa ter melhores equipas seniores e regressar aos campeonatos nacionais.

O voto único voto contra a constituição da SAD foi de Pedro Ribeiro, presidente da Câmara de Almeirim, aqui na qualidade de sócio do clube, que justificou o seu voto com uma questão de princípio por entender que a este nível não faz sentido uma lógica empresarial na gestão de um clube desta dimensão.

QUEM É O NOVO DONO DA SAD ALMEIRINENSE

palhinha2Segundo a Wikipedia, os primeiros passos de Palhinha,nascido em 1967, atualmente com 51 anos, no futebol foram no Venda Nova, pequena equipa de Belo Horizonte, aos dez anos. Dois anos depois, foi para o Santa Teresa, onde ficou até os dezoito anos, quando foi para o América Mineiro. Foi defendendo o América que ele venceu o Troféu Guará, dado pela imprensa mineira aos destaques do futebol local, em 1986, 1987, 1988 e 1990.

No início de 1992, foi emprestado até o fim de julho ao São Paulo, com o valor do passe fixado em quatrocentos mil dólares. Em maio, quando já estava se destacando como artilheiro da Libertadores, reivindicou a contratação em definitivo.

Palhinha foi bicampeão da Taça Libertadores, em 1992 e 1993, e da Copa Intercontinental, no Japão, nos mesmos anos. Conquistou ainda o Paulistão de 1992, o bicampeonato da Recopa Sul-Americana, em 1993 e 1994, e a Supercopa da Libertadores, em 1993. Na partida de ida das semifinais da Libertadores de 1992, quando marcou seu sétimo golo no torneio (que lhe valeria a artilharia), teve seu nome cantado pela torcida são-paulina.[4] Também marcou o primeiro golo tricolor na decisão do Mundial de 1993, contra o Milan.

Negociado com o Cruzeiro (numa troca envolvendo vários jogadores: Belletti e Serginho por Gilmar, Vítor, Donizete e Aílton, além do próprio Palhinha), venceu novamente a Taça Libertadores da América em 1997.

Depois transferiu-se para o Mallorca, da Espanha, em 1997, jogou pelo Flamengo em 1998 e pelo Grêmio em 1999, quando se sagrou campeão gaúcho.

Retornou ao América Mineiro, onde se sagrou campeão da Copa Sul-Minas em 2000. Palhinha figura como o sétimo maior artilheiro do "Coelho".

Depois, passou sucessivamente por Sporting Cristal do Peru, em 2000, Gama, em 2001, Alianza Lima (onde foi campeão peruano, também em 2001), Marília, entre 2001 e 2002, novamente o América Mineiro, em 2002, Khaimah Sports (Emirados Árabes Unidos), em 2003, Uberaba, em 2003, Bandeirante de Birigui e Ipatinga, em 2004, Chapecoense e Farroupilha, em 2005, e Guarulhos, seu último clube como jogador, em 2006.

Na Seleção Brasileira, Palhinha fez sua estreia em agosto de 1992, num amistoso contra o México, em Los Angeles. Disputou dezasseis jogos pela Seleção, marcando cinco golos.

Iniciou a carreira de treinador em 2007, comandado as categorias de base do São Bernardo

Em 2013, foi para Los Angeles, nos Estados Unidos, comandar a academia de futebol do Corinthians naquele país. Foi também presidente do Boston City FC.