A Câmara de Santarém aprovou esta segunda-feira, 15 de julho, o projeto e o concurso público para a contratação de empreitada de conservação e beneficiação exterior da Igreja de São João de Alporão, um dos monumentos mais emblemáticos da cidade, situado em frente à Torre das Cabaças, a caminho das Portas do Sol.

Slide thumbnail

A intervenção tem como objetivo a preservação do monumento, inclui limpezas várias, tratamento das juntas, remoção de preenchimentos antigos com materiais desadequados, selagem e micro estucagem de fendas e fissuras, colocação de rede do tipo "anti-pássaros" na rosácea, reposição de vidros danificados e pinturas várias, entre outras obras.

Os trabalhos previstos têm um custo estimado de cerca de um milhão de euros (978.520.92€) e um prazo de execução de 270 dias.

O presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves, explicou que o custo só não é maior porque o projeto foi feito internamente pelos técnicos da autarquia, com ajuda da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), que já deu paracer favorável ao projeto de requalificação.

O autarca explicou ainda que, numa segunda fase vai ser colocada uma rede sobre a entrada do museu para evitar que o desprendimento de alguma pedra possa atingir funcionários ou visitantes.

ENCERRADO DESDE 2012
Recorde-se que o São João de Alporão, também conhecido por Museu dos Cacos, está fechado ao público desde 2012, após a queda de várias pedras do teto do edifício.

Refira-se ainda que um estudo solicitado em 2004 ao Departamento de Engenharia, Minas e Georrecursos do Instituto Superior Técnico revelou que a estrutura está a ser afetada por infiltrações a partir das fundações, pela constituição geológica da pedra usada na construção (bastante permeável e facilmente perecível perante a penetração de sais, que cristalizam) e pelos métodos construtivos e corretivos posteriores (como a utilização de argamassas, nomeadamente de cimento).