chamusca bibliotecatecfresh2018 slide

Nuno Antão

nuno antao oculosHoje é Dia Mundial do Turismo (27 de setembro) e por cá... aquela terra que em tempos salvou magos, observa-se o mais belo rio que passa pela aldeia, que nos dá o por do sol mais bonito do mundo na capital da falcoaria, património da humanidade, uma história que nos remete para pactos com os espanhóis, para a ultima corrida real, as chaminés, a capela e a rede de túneis, por onde se podia fugir (...ou não!) dos perigos da época. Hoje, reflecte-se por esse mundo sobre as experiências sensoriais como surfar a onda da Nazaré ou comer um Pastel de Belém em Pequim ou em Nova Deli, uma oportunidade de nos darmos ao mundo para quem não consegue estar em todo o lado, novos mercados que podem, e devem, complementar a experiência viva. Podemos mostrar o por do sol, mas senti-lo com o vento a bater na cara... só cá vindo!

Já vos falei do Tejo, onde temos o Escaroupim, a Praia Doce, o Bico da Goiva, os mouchões e as curvas da água que criam espaços e espaçinhos de observação... de sensações, já vos falei do mistério das lendas que nos remetem para o território que salvava quem pensava out of the box, da falcoaria e do pedaço de história desta nação por cá vivido, onde se inclui a ultima tourada real. Aprendemos muito "top-down" com quem reflecte sobre as estratégias de atração de turista, mas é "bottom-up" que nos vamos conseguir afirmar, porque às lendas, Tejo e Falcoaria, podemos ainda acrescentar a mata nacional que para além de alimentar os, simpáticos, coalas, proporciona ar puro, cheiros intensos e sons misteriosos que voltam a remetermo-nos para as lendas e que nos conduzem à origem da espécie e aos Concheiros de Muge, únicos e mais antigos, um exagero meu, no mundo.

E, por falar em mundo... temos ainda a Glória do Ribatejo, aquela "singular aldeia ribatejana" um património único, onde não são as questões materiais que se afirmam mas sim as gentes, afinal de contas o melhor de nós: as pessoas. Hoje é Dia Mundial do Turismo e por cá ainda temos a Casa Cadaval (que na era da afirmação da igualdade, é também um exemplo da gestão no feminino, há quatro gerações que é gerida por mulheres) que, também, nos liga há história, à afirmação cultural e às nossas ligações ao mundo... ah, e tem o vinho... o tal que gera tantos ou mais turistas que Fátima, Lourdes ou o Vaticano... e o vinho remete-nos novamente para a água, para além do Tejo, por cá temos a Albufeira de Magos (no foro que passou a Foros e a afirmação própria e viva) que nos conduz ao Paúl de Magos, ao arroz, à investigação, à evolução da produção do dito e daqui para os maiores consumidores, sim porque é de turismo e turistas que falo.

Sobre nós escreveu Alves Redol, por cá Ventura Terra deixou marca, marca que ficou também dos Parodiantes de Lisboa e os barretes que se enfiam a gosto entre muitas outras iguarias das quais a enguia é rainha... temos pois a história, temos pois caminho para andar e enquanto houver estrada para andar a gente vai continuar... hoje é dia mundial do turismo este é o tempo de afirmação, no contexto mundial só nos afirmamos pela autenticidade, pela diferenciação e pela capacidade de nos tornamos inesquecíveis.

PS. Há mais, muito mais...gente e terra carregada de histórias, sensações, sentido!

 

Partida em Coruche do Grande Prémio de Ciclismo Abimota - Fotos: João Dinis