chamusca pinoquioTecfresh17

Economia

nersant generica 

Benavente, Ourém e Santarém são os três concelhos do distrito de Santarém onde foram criadas mais empresas no mês de Outubro, sendo responsáveis por quase metade das 60 novas empresas criadas na região.

Benavente e Ourém viram nascer 9 sociedades cada um, Santarém, 8, seguindo-se Cartaxo, com 5 sociedades constituídas, Alcanena (4), Tomar e Salvaterra de Magos (3).

Nos concelhos de Abrantes, Torres Novas, Coruche, Vila Nova da Barquinha, Rio Maior, Golegã e Almeirim, nasceram 2 empresas (cada) em Outubro, enquanto nos concelhos de Chamusca, Sardoal, Ferreira do Zêzere, Alpiarça e Mação, foi constituída uma sociedade (cada). Constância e Entroncamento foram os únicos concelhos do distrito de Santarém sem qualquer constituição de sociedades no mês de outubro.

Os dados são daAssociação Empresarial da Região de Santarém (Nersant) que avança ainda que quanto à forma jurídica das sociedades, 37 são Sociedade Unipessoal por Quotas, 22 são Sociedade por Quotas, e apenas uma é uma sucursal de uma empresa estrangeira em Portugal.

Os CAE das sociedades são bastante diversificados, destacando-se apenas a compra e venda de bens imobiliários e o comércio por grosso não especializado, com 4 sociedades constituídas em cada um destes setores de negócio.

Na análise por sexo, os sócios destas sociedades são maioritariamente do sexo masculino (70%), sendo a percentagem de mulheres ao comando das mesmas, de apenas 30%.

central eletrica

O Governo quer encerrar as duas centrais produtoras de eletricidade a carvão, em Sines e no Pego (Abrantes), até ao ano 2030, mas, no caso da central ribatejana, o encerramento pode acontecer já em 2021, ano em que terminam os atuais direitos da Endesa sobre a central da Tejo Energia, no Pego.

Depois de esta quinta-feira, dia 16 de novembro, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, ter anunciado em Bona, na Alemanha, onde decorre a conferência das Nações Unidas para as alterações climáticas, o prazo até 2021, o presidente da Endesa Portugal, Nuno Ribeiro da Silva, revelou à agência Lusa que os direitos sobre a central Tejo Energia, no Pego, terminam em 2021, considerando "muito provável" que centrais a carvão saiam do sistema elétrico nacional.

Nuno Ribeiro da Silva garante que ainda não está claro se os direitos até 2021 serão ou não prolongados, uma vez que o assunto ainda não foi discutido.

Recorde-se que a Tejo Energia, responsável pela central termoeléctrica do Pego, é a segunda empresa com maiores emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em Portugal.

Os dados são de um estudo da associação ambientalista Zero, que revela que a Tejo Energia só fica atrás da sua congénere de Sines, da responsabilidade da EDP, e à frente de empresas como a Petrogal, a Cimpor e a TAP, que completam o Top 5.

NOTÍCIA RELACIONADA

Segunda empresa que mais contribui para o efeito de estufa é da região

torresnovasnersantministrocverde

A Nersant e Cabo Verde vão assinar em breve um acordo de colaboração para promover o investimento e os negócios entre ambas as entidades.

A decisão foi tomada durante a visita que o primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, fez à sede da Associação Empresarial da Região do Ribatejo, em Torres Novas, onde participou também num almoço debate com representantes de várias empresas ribatejanas

No seu discurso de acolhimento à comitiva cabo-verdiana, o vice-presidente da direção da Nersant, Domingos Chambel, sublinhou "o relacionamento pessoal histórico entre Portugal e Cabo Verde, que tem vindo a evoluir para um relacionamento profissional".

"Esperamos ouvir as oportunidades que Cabo Verde tem para oferecer às empresas da região, para podermos estruturar os nossos investimentos", acrescentou.

Respondendo ao desafio lançado pela Nersant, Ulisses Correia e Silva apresentou as oportunidades do seu país, tendo começado por referir que esta viagem acontece "em prol do investimento e dos negócios".

Referiu que "a prioridade de Cabo Verde é atrair investimento direto estrangeiro. Queremos tirar partido da nossa posição geoestratégica entre Europa, América e África como uma das mais-valias a potenciar.

Para isso, explicou, “Cabo Verde tem, desde 2007, uma parceria estratégica com a União Europeia, não só para criar condições de acesso a mercados, mas também a tecnologia e ciência e beneficia de liberalização de vistos para livre circulação no espaço Schengen".

No final deste encontro, a Nersant e o primeiro ministro comprometeram-se na assinatura de um protocolo através da Agência da Promoção do Investimento e Exportações de Cabo Verde, denominada "Cabo Verde TradeInvest", cuja presidente, Ana Lima Barber, esteve também presente no evento.

Futebol: Jogo Coruchense x Mondenense | Fotos: João Dinis